terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Crítica: The Beaver (2011)



FICHA TÉCNICA

Título Nacional: O Castor
País Origem: EUA
Realizador: Jodie Foster
Género: Drama
Duração: 91 minutos









Realizado de forma brilhante por Jodie Foster, este é um filme muito sério e pesado, que aborda questões pertinentes da sociedade em que vivemos, como a disfuncionalidade humana e familiar, e ainda o tema muito sensível da depressão.

Walter Black (Mel Gibson) é um director de uma empresa de brinquedos e que está em plena crise de meia-idade. Sem alegria e vontade de viver e num estado de apatia total, Walter refugia-se no mundo que criou para si, afastando-se de toda a gente que o rodeia, principalmente da sua mulher Meredith Black (Jodie Foster) e dos seus dois filhos. Meredith não tem mais forças para continuar a viver deste modo, enquanto Porter (Anton Yelchin), o filho mais velho, odeia o pai cada vez mais ao ponto de elaborar uma lista de todas as características que os identificam, afim de as poder contrariar. Sem encontrar uma solução para sair do estado depressivo onde se encontra, Walter encontra num fantoche com a forma de um castor a única maneira de se expressar e de certa forma adoptar uma segunda personalidade. 


Este filme marca o regresso mais do que aguardado do actor Mel Gibson, que há muito andava fora destas andanças devido a uma série de problemas pessoais. Felizmente chegou em boa altura, porque tem aqui um papel ao seu nível e que o faz mostrar toda a qualidade que se lhe reconhece. Numa personagem que não é fácil, Mel consegue transmitir toda a dor e a insanidade mental porque passa a sua personagem, chegando mesmo a arrepiar de tão profundo que consegue ir. Mel é apoiado por uma Jodie Foster que interpreta de forma fantástica o papel da mulher e mãe, que luta pela sua família até ao limite das suas forças e que faz de tudo para ter Walter de volta. Sem esquecer dois grandes jovens actores (Anton Yelchin e Jennifer Lawrence) que têm aqui papéis secundários de grande qualidade, e que em nada ficam a dever aos pesos pesados deste filme.


The Beaver é uma obra que explora os limites das suas personagens, e que nos leva a reflectir sobre muita coisa. É um filme que tem algo a dizer, e que o deixa bem vincado. The Beaver nada tem a ver com o estereótipo de filme hollywoodesco, é acima de tudo um filme de actores, e que valoriza um bom argumento ao invés de outras coisas. Não é de certo um filme que vá agradar a todos, mas é uma excelente escolha para quem quer assistir a algo com substância e profundidade.


Nota: 8.5/10

Crítica por Paulo Saraiva

Sem comentários:

Enviar um comentário