segunda-feira, 23 de abril de 2012

Disney em crise



Habituada a vencer na ficção, a Disney enfrenta agora uma crise bem real: o desaire financeiro da superprodução John Carter (ainda nas salas) forçou o presidente dos estúdios a demitir-se. Rich Ross deixou o cargo ao fim de menos de três anos, incapaz de lidar com um fracasso que se traduziu em prejuízos de 151 milhões de euros.

Ross tornou-se o rosto de uma tendência de produções da Disney que têm falhado redondamente. Por exemplo, a anterior incursão pelo planeta vermelho, na animação Mães Precisam-se... em Marte (2011), converteu um orçamento de 114 milhões nuns embaraçosos 16 milhões de euros de receitas. Os casos estendem-se a O Príncipe da Pérsia: As Areia do Tempo (2010), ou o primeiro passo em falso da Pixar, dado em 2011: Carros 2 rendeu pouco mais do que custou (150 milhões de euros) e teve críticas negativas, ficando até de fora das nomeações para o Óscar de Filme de Animação.

"Não creio que o papel de presidente seja a função mais adequada para mim", disse Ross, anteontem, na mensagem de despedida. Para trás, deixa o êxito do crescimento dos canais Disney Channel, a partir de fenómenos como Hannah Montana, que o levou a ser escolhido para o cargo que agora deixa vago.

Os especialistas na indústria do cinema estão com os olhos postos nos efeitos que o fiasco de John Carter terá nas contas do estúdio, que já em 2011 sofrera um recuo de 5% nas receitas, para 4,8 mil milhões.

Fonte: Correio da Manhã

Sem comentários:

Enviar um comentário