sábado, 10 de novembro de 2012

Crítica: Beasts of the Southern Wild (2012)



FICHA TÉCNICA

Título Nacional:
Bestas do Sul Selvagem
País Origem: EUA
Realizador:  Benh Zeitlin
Género: Drama
Duração: 93 minutos

Trailer










Filme de Abertura da 6ª edição do Lisbon & Estoril Film Festival 
Selecção Oficial - Fora de Competição

Beasts of the Southern conta a história de Hushpuppy (Quvenzhane Wallis), uma menina de seis anos que vive com o seu pai Wink (Dwight Henry), numa pequena comunidade isolada do rio Mississípi, chamada de Bathtub. Situada abaixo do nível do mar, esta comunidade é constantemente fustigada por tempestades, e por inundações provocadas pelo degelo dos glaciares. Quando uma destas tempestades paira sobre a comunidade, a maioria dos seus habitantes foge em busca de salvação, enquanto outros ficam para trás recusando-se a deixar as suas casas. Hushpuppy e o seu pai procuram refúgio temporário no mar, em jangadas improvisadas para o efeito, e ao mesmo tempo que tem de lidar com esta situação de catástrofe, vão ter de aprender a lidar com a relação conflituosa que existe entre ambos.


Beasts of the Southern é o típico filme independente que se gosta, com um argumento e uma narrativa coesa, o realizador Benh Zeitlin trás até nós uma história de conquista pessoal e de superação perante as dificuldades. Este filme que tem tido grande sucesso por onde passa, e tendo sido produzido com um baixo orçamento, tem o mérito de ter conseguido estar presente nos principais festivais de cinema europeus, tendo sido mesmo vencedor de alguns prémios importantes, como o Grande Prémio do Júri' 11 no Festival de Sundance, ou a Golden Camera no festival de Cannes 

Em grande parte, o sucesso deste filme reside na pequena Quvenzhane Wallis de apenas 8 anos, que tem aqui uma interpretação memorável, pois todo o filme gira em torno de si e esta não desilude, conseguindo transmitir para o espectador toda uma série de sensações e uma autenticidade digna de registo. Não descurando também Dwight Henrym, que interpreta na perfeição o papel do pai aparentemente transtornado e ausente. Mas é nesta interacção entre os dois, que reside toda a magia do filme, pois os dramas vividos, as trocas de olhares e a cumplicidade entre ambos, são momentos de pura magia e que levam o espectador a emocionar-se e a torcer por estas personagens.


Beasts of the Southern  procura mostrar que não se precisa de muito para se ser feliz e que a solução para ultrapassar todos os problemas reside no Amor, no Amor que nutrimos uns pelos outros e na capacidade que temos de nunca baixar os braços perante as adversidades, por mais difíceis e complexas que sejam. E que fundamentalmente somos capazes de lutar contra os nossos demónios e sair vencedores. 


O Melhor - A pequena mas já grande actriz Quvenzhane Wallis, que está simplesmente genial.

O Pior - A grande possibilidade de vir a passar despercebido à maioria dos espectadores portugueses.


Nota: 8/10

Crítica por Paulo Saraiva 

Sem comentários:

Enviar um comentário